Casa > Tocam > Clássicos > Drama > Salomé Reveja

Salomé

Por Oscar Wilde Robert Baldwin Ross, Aubrey Beardsley, Alfred Bruce Douglas,
Avaliações: 29 | Classificação geral: média
Excelente
7
Boa
12
Média
7
Mau
3
Horrível
0
Indignado com a perversidade sexual dessa tragédia de um ato, o lorde Chamberlain da Grã-Bretanha proibiu Salomé do cenário nacional. Os poetas e escritores simbolistas Stéphane Mallarmé e Maurice Maeterlinck, entre eles, defenderam o brilhantismo literário da peça. Além de sua notoriedade, as assustadoras imagens poéticas, as cadências bíblicas e a atmosfera febril do drama ganharam

Avaliações

Comentário deixado em 05/18/2020
Bidget Pimpinella

Salomé = Salomé, Oscar Wilde
Salome (francês: Salomé) é uma tragédia de Oscar Wilde. A versão original de 1891 da peça foi em francês. Três anos depois, uma tradução para o inglês foi publicada. A peça conta em um ato a história bíblica de Salomé, enteada do tetrarca Herodes Antipas, que, para consternação de seu padrasto, mas para deleite de sua mãe Herodias, solicita o chefe de Jokanaan (João Batista) em uma bandeja de prata. recompensa por dançar a dança dos sete véus.
Data de nascimento: Nascimento 1972 میلادی
عنوان: سالومه; نویسنده: اسکار وایلد; مترجم: هوشنگ ایرانی; تهران, گلشائی, 1327, 61 در ص; چاپ دیگر: بی جا, عباس جهانگیری, 1327; در 61 ص; موضوع: نمایشنامه های نویسندگان انگلیسی - سده 19 م
عنوان: سالومه, اهمیت ارنست بودن و بادبزن خانم ویندمر; نویسنده: اسکار وایلد; مترجم: محمد سعیدی; تهران, بنگاه ترجمه و نشر کتاب, 1336, در 302 ص; چاپ دیگر انتشارات علمی فرهنگی; 1379, در 231 ص, شابک: 9644452216 ؛
Todos os direitos reservados.
عنوان: سالومه; نویسنده: اسکار وایلد; مترجم: عبدالله کوثری; تهران, چاپ کتاب, هرمس, 1385; در 94 ص; شابک: 9643633489; چاپ دیگر: تهران, هرمس, 1388; در 92 ص; شابک: 9789643633486; دوزبانه;
:ننیک :ین :س :ی::::::::: :ی:: :ا:::
نمایشنامه و درام, بازسازی افسانه ی «سالومه» شاهزاده خانم شرقی ست, که برای به دست آوردن سر بریده ی «جان باپتیست» یا «یحیی تعمید دهنده», با پاهای برهنه برای شوهر مادرش رقصید. «اسکاروایلد» نمایشنامه «سالومه» را با وجود قانون منع توصیف شخصیتهای کتاب مقدس نوشتند. ا. شربیانی
Comentário deixado em 05/18/2020
Martelli Meshell

Salomé é filha de Herodiade, a nova esposa de Herodes, o tetrarca de Galileu. Ela é linda, ela dança bem, ela encanta. Em um poço bem conservado, ela ouve a voz de Iokanaan, aprisionada porque ele diz coisas muito nojentas. Alguns dizem que ele é o messias. Salomé quer vê-lo. E apesar da relutância dos soldados, apesar das ameaças do próprio Iokanaan, apesar dos horrores que ele profetiza e que todos dizem respeito a Herodiade, a mãe de Salomé, ela quer vê-lo, conversar com ele, beijá-lo. Ele recusa. Herodes e Herodiade então chegam. Herodes, que devora a nora com os olhos, pelos quais sua esposa o culpa. Ele então implora que ela dance para ele. A qualquer preço.

O episódio bíblico é extremamente conhecido. Mas Oscar Wilde ocultou a identidade do profeta São João Batista, dando-lhe o nome hebraico. A tradição católica é, portanto, cuidadosamente distante, e o próprio personagem parece quase louco, um pouco perturbador, iluminado, fora do mundo. Mas o que mais me surpreendeu foi o personagem de Salomé, surpreendentemente trabalhado. Conhecemos a lubrificação de Herodes, a crueldade de Herodiade, que desejou a morte do profeta. Supõe-se mesmo que seja na direção de sua mãe que Salomé peça sua cabeça. Agora ela se torna manipuladora. Ela tenta seduzir o profeta, subjugá-lo por charme e por insultos e é porque ele recusa o beijo dela que ela o condena. É ela mesma que decide pedir a cabeça de Jean-Baptiste, numa cena implacável em que Herodes repete repetidamente todas as riquezas do mundo aos pés de Salomé, implorando que ela peça outra coisa, à qual responde: lacônico e irritante: "Eu quero a cabeça de Iokanaan". Onde ela ainda poderia ser o objeto involuntário de tanta paixão, Oscar Wilde faz dela uma femme fatale e perigosa por vontade própria.

Feira de Livros de Lisboa 2016.
Comentário deixado em 05/18/2020
Pasadis Kretschman

Portanto, essa deve ser uma das coisas mais estranhas e fascinantes que já vi há algum tempo. Por si só, a peça de Wilde não é muita coisa: ponderada, monótona. Mas combine as ilustrações caprichosas de Aubrey Beardsley e, através de algum tipo de magia alquímica, é criada uma experiência intertextual bastante extraordinária.

O texto em si parece meio antitético ao que agora associamos a Wilde: em nenhum lugar pode ser encontrado algo que se assemelhe a humor, estalo, humor, duplo sentido. Aparentemente, Wilde afirmou que sua gênese foi um experimento envolvendo um autor escrevendo em uma linguagem que não é dele (o que, nessa situação específica, é mais interessante em conceito do que em execução). Certamente tem seus momentos de interesse e vários momentos de poesia inegável, e consegue evocar uma atmosfera sonhadora, de estufa, mas duvido muito que você encontrará muitas pessoas proclamando isso como uma obra-prima (e as poucas que provavelmente estão trabalhando nisso). uma tese de doutorado com interesse em provar o mesmo).

Mas coloque o texto lado a lado com as famosas ilustrações de Aubrey Beardsley e, de repente, o texto escrito está repleto de ressonâncias que antes não pareciam possuir. A frase mais famosa da peça é provavelmente o pronunciamento de Herodes de que "não é prudente encontrar símbolos em tudo o que se vê. Torna a vida cheia de terrores". Mas isso é exatamente o que Beardsley faz: ele preenche suas ilustrações com símbolos, arrancados do texto e de sua própria imaginação, e os resultados, enquanto, à primeira vista, parece o tipo de coisa ironicamente nostálgica que uma moderna cafeteria de São Francisco penduraria em suas paredes, tornar-se sob uma inspeção mais próxima bastante grotesco, até um pouco repulsivo.

O resultado? As ilustrações de Beardsley trabalham para retranslacionar ativamente o texto de Wilde, localizando-o e impondo-lhe uma espécie de sexualidade subversiva, bordando a sugestão de Wilde de quase incesto, com inegáveis ​​nuances de bissexualidade, homossexualidade e ambiguidade e desconstrução sexual de todos os tipos. Essencialmente, Beardsley recontextualiza e reconfigura a peça de Wilde em algo muito diferente do que parece inicialmente.

Tornando-o no final, ironicamente, muito mais reconhecível como o Wildean.





Comentário deixado em 05/18/2020
Lamoree Zerko

(Releia, com um amigo)

Uma peça de um ato, não tão famosa quanto as de Wilde, é fascinante. Pelo que entendi, durante o tempo que Wilde escreveu isso, havia uma mania de Salomé acontecendo. Wilde colocou sua própria interpretação na história, além de ser influenciado por um pintor; um poeta; Flaubert; e um romance (não de Flaubert) que ele adorava. Embora não seja escrito em seu estilo "típico", sua inteligência pode ser discernida; e embora seu uso da repetição possa parecer infantil, ele faz uso efetivo dela.

Em contradição com o relato bíblico, um salomé lascivo e vingativo está na frente e no centro. Herodias é ineficaz: ela fica à margem emitindo ordens às quais nem a filha nem o marido prestam atenção. Salomé recebe poder através de seu intelecto, por meio de um truque; no entanto, ela também é retratada como irracional, querendo irracionalmente o que ela quer, não importa o quê. Os olhares proibidos ou invisíveis são um motivo constante, mesmo com os caracteres secundários; no entanto, o homem erotizado é aquele que não olha para ninguém.
Comentário deixado em 05/18/2020
Consuela Shareef

"O mistério do amor é maior que o mistério da morte."

Wilde's Salomé era estranho e nojento e também um pouco gratificante. Eu realmente não posso falar sobre quaisquer antecedentes bíblicos, históricos ou políticos, mas é uma peça divertida e incomum que eu adoraria ver no palco algum dia.


Encontre mais dos meus livros no Instagram
Comentário deixado em 05/18/2020
Kenzie Casterline

um clássico gótico. particularmente agradável se você é agora ou já foi rejeitado por um homem que pensou que era melhor que você.


fora com suas cabeças!
Comentário deixado em 05/18/2020
Hart Valido

... o mistério do amor é maior que o mistério da morte.

Eu me curvo à grandeza de Oscar Wilde. Este foi o trabalho mais estranho que li e confio em mim. Li quase tudo o que esse homem escreveu. Faltava o estilo espirituoso e sarcástico distinguível dele e, o mais importante, de suas citações, mas isso não o tornava menos interessante.

Salomé é uma peça baseada em figuras bíblicas e muitos símbolos podem ser encontrados aqui. É curto e inteligente. Repito que este não é o Oscar Wilde típico com o qual estamos familiarizados, mas ainda vale a pena ler.
Comentário deixado em 05/18/2020
Lacie Asbridge

Definitivamente não é minha peça favorita de Oscar Wilde. Uma leitura interessante, mas estranha.
Comentário deixado em 05/18/2020
Armstrong Hendren

No último ano do ensino médio, li essa peça como parte de um curso independente de Oscar Wilde. Minha primeira impressão ao concluir foi: "Uau. Que Salomé está seriamente ferrado!"

No entanto, quatro anos depois, enquanto eu procurava uma peça de um ato para dirigir minha tese na faculdade - e não tendo nenhuma sorte em particular -, lembrei-me dessa peça. Lê-lo novamente produziu em mim uma reação bem diferente: se Salome está enlouquecida (eu era mais discreta em meus pensamentos naquela época), então ela o é porque a sociedade não lhe ensinou mais nada; ela é cativa no mundo da tentação, cativa mesmo na maneira como a sociedade fala em círculos; ela é mulher de hoje.

Consegui permissão para encenar a peça na minha faculdade católica (que sempre era suspeita das artes cênicas!), E não conhecendo a tendência atual de tratá-la como acampamento, em vez disso, me aproximei da peça como drama (quase) verso: emoções intensificadas, ações intensificadas, um mundo que usa a linguagem para a sedução, um mundo em que as palavras de um homem santo se destacam como uma lança de raios.

Nele, descobrimos muito da vida de Wilde paralela à obra. Muito se falou de sua desgraça e exílio, mas ao ler Salomé em conjunto com sua poesia da mesma época, e à luz do fato de que em seu exílio ele se reconciliou fervorosamente com a Igreja Católica, vemos o retrato de um homem. quem, como Dorian Gray ou Salome, fica preso na forma como as pessoas o percebem; quem é forçado a usar uma imagem pública de que já gozou, que agora o prende e assombra; um homem que se atrapalha com a graça.

Meu único desejo é que mais pessoas levem Salomé a sério (mesmo que a tradução do francês pareça ter uma prosa roxa para nossos ouvidos!). Há muito de nós mesmos nele.

(Para ver minha versão do Salome - um pouco editada para restrições de tempo e produção, e reconhecidamente apenas minha segunda incursão na época em direção, veja aqui: http://youtu.be/7wEGn2tbnsg)
Comentário deixado em 05/18/2020
Riess Silvia

Ah, estou revisitando as obras impressionantes deste Oscar Wilde sobre morte, loucura, paixão distorcida, sangue e ... por último mas não menos importante, beleza.


Avaliação de Alice Poon para esta obra-prima: https://www.goodreads.com/review/show...
Comentário deixado em 05/18/2020
Bremen Ehrhart

Primeiro de tudo, eu não tinha ideia de que era uma peça de um ato. Então descobri que estava originalmente escrito em francês (enquanto Oscar Wilde estava no exílio em Paris) para evitar a censura vitoriana.

Salomé é um conto de paixão complexa. Salomé, de Oscar Wilde, não é um instrumento de Herodias. Ela é uma amante sensual e sensível que se transforma em um carrasco vingativo. Sua mãe, Herodias e o atual rei haviam aprisionado e morto, seu pai, o antigo rei, fazendo dela um "Hamlet". Ela se apaixona por João Batista, não porque ele é um homem adorável, mas apenas porque ela é fascinada por ele.

Além da trama, há uma história secundária. Eu pensei que João Batista pode ser uma metáfora do próprio Oscar Wilde. Um vidente, rejeitado, mas a sociedade não tem coragem de destruí-lo completamente.

É interessante saber que isso foi traduzido por Lord Alfred Douglas.

Comentário deixado em 05/18/2020
Jarrett Darras

Depois de terminar "Salomé", eu ri alto. Isso não parece incomum. Oscar Wilde é conhecido por seu diálogo espirituoso e comentários sociais sarcásticos, então por que não rir? Bem, eu não ri por causa do humor da peça, eu ri porque Eu estava esquisito. Havia um pensamento que dominava meu pensamento, e esse pensamento era: Que porra eu acabei de ler?

Fiquei surpresa com essa peça, fiquei surpresa ao saber que Oscar não escreveu apenas peças da sociedade. Fui acostumado com a representação de um cenário de classe alta, jantares em que todos os atendentes se odeiam e o dândi com suas declarações contraditórias. Não consegui nada disso em "Salomé".

"Salomé" é o Oscar adaptação da história bíblica de Herodes e Herodias. Eu sabia que Oscar era um homem religioso e que ele estudava textos antigos na época em Oxford; Eu não sabia que ele estava os adaptando também.

De acordo com o Novo Testamento, Salomé era a filha de Herodias. Ela é famosa por exigir e receber a cabeça de João Batista de Herodes, o marido de sua mãe. Ela é frequentemente identificada com a mulher dançante sem nome - as tradições cristãs a descrevem como um ícone da perigosa sedução feminina por causa da natureza erótica de sua dança. Oscar adotou um motivo semelhante em sua peça, representando Salomé como uma femme fatale.

Como não sou bem lido no material de origem, não julgarei como Oscar adaptou sua história. Pelo que entendi, ele alterou certas coisas, por exemplo, que no material fonte, depois da dança dela, Salomé perguntou à mãe o que ela deveria exigir de Herodes, e que na peça de Oscar Salomé é muito mais independente e manipuladora, e quer a cabeça de Jonakaan. razões egoístas. No entanto, Oscar permaneceu bastante fiel à história original em geral.

Na minha primeira leitura da peça, não vi muita coisa nela. Sem significado maior ou qualquer significado, para esse assunto. Herodes me deu arrepios reais, a maneira como ele cobiçava Salomé, exigindo que ela dançasse para ele, era extremamente desconfortável de ler. Salomé não foi melhor. Sua estranha obsessão pelo corpo de Jonakaan surgiu do nada e parecia extremamente predatória. Fiquei com nojo do monólogo final dela e que ela acariciou e beijou a cabeça desapegada de Jonakaan.

Em geral, a peça parecia muito anticlimática. A execução de Jonakaan ocorre a portas fechadas e a platéia não deixa entrar a ação. A dança de Salomé não é descrita, e o leitor deve imaginá-la. A peça e seu diálogo pareciam muito repetitivos e careciam de inteligência.

Minha opinião sobre "Salomé" mudou para melhor, depois de fazer algumas pesquisas. Os críticos discutem esse jogo com temas muito interessantes em mente - a obsessão da sociedade com a virgindade, o olhar masculino e o poder sexual. Fiquei muito feliz em saber sobre essas discussões, porque então eu mesmo pude ver a prova textual. Herodes está cobiçando o corpo de Salomé e, portanto, durante toda a peça ela é retratada através dos olhos de um homem predador, seu corpo é o foco da atenção e é excessivamente sexualizado. No entanto, o "olhar feminino" também é predominante na história, na obsessão doentia de Salomé com a brancura do corpo de Jonakaan e a maturidade de sua boca. Além disso, Salomé tem poder sobre Herodes, ele deve cumprir seus desejos, simplesmente por causa de seu apelo, de quão altamente sexual ela é. Ela é tudo isso, apesar de ainda ser virgem.

O que eu achei realmente interessante é que alguns estudiosos discutem o subtexto homossexual da peça. Eu não entendi nada, mas acho que vale a pena mencionar. Na peça, Salomé promete ao jovem sírio (que está loucamente apaixonado por ela) uma flor, um sinal típico de homossexualidade na época de Oscar. Esses estudiosos argumentam que a sexualidade de Salomé é apresentada como tipicamente masculina (afinal, ela é frequentemente descrita como estando em uma posição de poder e tem uma natureza muito predatória), o que torna a relação entre ela e os jovens sytianos na fronteira homoerótica.

Essa visão fascinante e diferente da peça se torna ainda mais interessante quando levamos em consideração que Oscar dedicou essa peça a seu amante, Bosie, e, além disso, que Bosie tentou traduzir essa peça (Oscar a havia originalmente escrito em francês). Oscar e Bosie brigaram agudamente sobre a tradução porque Oscar não estava satisfeito com ela, e Bosie culpou-a pelo domínio fraco de Oscar da língua francesa, alegando que as falhas estavam na versão original da peça. Oscar traduziu a peça ele mesmo, mas deu crédito a Bosie, para não incomodá-lo ainda mais.

Além disso, eu estava realmente ansioso para saber por que Oscar decidiu escrever na língua francesa. Aparentemente, ele considerava a escrita em língua estrangeira um auto-experimento:
"I have one instrument that I know I can command, and that is the English language. There was another instrument to which I had listened all my life, and I wanted once to touch this new instrument to see whether I could make any beautiful thing out of it."
Eu acho isso muito fascinante, e então Não considero essa peça uma perda de tempo. Claro, meu tempo lendo não foi o mais agradável, mas adorei descobrir seus temas importantes e a visão de Oscar Wilde que a pesquisa subsequente me deu.

Então, em conclusão, eu não recomendaria isso necessariamente a pessoas que nunca leram nada de Oscar antes. É uma peça invulgar para ele, e as peças de sua sociedade são muito mais acessíveis e engraçadas. No entanto, se você está realmente interessado no homem e em seu trabalho, "Salomé" é uma leitura vital, da qual você pode aprender um pouco.
Comentário deixado em 05/18/2020
Whitaker Widell

[Nota: esta é uma resenha combinada de "Salomé", a peça e a ópera.]

Já foi dito com bastante frequência que a música não tem nacionalidade. Às vezes, uma obra de arte pode transcender a cultura e a linguagem para alcançar um ápice de perfeição, em que música e história se fundem para produzir uma forma de arte impressionante que prende o coração e a mente do público. A jóia operística de Richard Strauss, "Salome", em alemão, baseada na peça francesa de Oscar Wilde, talvez mereça ser contada entre essas peças.

Oscar Wilde, poeta e dramaturgo irlandês nascido em Dublin e educado em Oxford, Inglaterra, notadamente um prodígio da língua, conhecia alemão, francês, grego e latim desde tenra idade. A vida liberal hedonista que ele levou em sua juventude, apesar de ser desaprovada pela sociedade em que vivia, pode muito bem ter aguçado seus sentidos para lhe dar o entusiasmo necessário para apreciar a beleza da arte que pode estar escondida dos olhos destreinados. Seus trabalhos mais aclamados são seu único romance “A Imagem de Dorian Gray” e a peça “A Importância de Ser Sério”.

Menos conhecida é a peça "Salomé", baseada na conhecida história bíblica da decapitação de João Batista, e que Wilde escreveu originalmente em francês.

A historia é assim. Em uma festa de aniversário organizada por Herodes, o tetrarca da Judéia, Salomé, sua enteada, exigiu ver João Batista que estava sendo mantido em uma cisterna subterrânea por criticar a mãe de Salomé, Herodias, em seu casamento incestuoso com Herodes, irmão de seu marido. . Ao ver o homem santo, Salomé se apaixonou por ele e declarou seu desejo apaixonado por sua pele branca, cabelos pretos e lábios vermelhos. Quando ela foi rejeitada, pediu perversamente a Herodes, que a ansiava, que a recompensasse com a cabeça de John depois de dançar a Dança dos Sete Véus, com Herodias alegremente estimulando-a. Herodes tentou dissuadi-la de sua exigência, oferecendo sua esmeralda, depois pavões brancos, o véu sagrado do templo, que todos recusaram. Quando ela finalmente conseguiu o que queria, beijou os lábios da cabeça decepada que lhe foram entregues em uma bandeja de prata. Aterrorizado com a visão dessa loucura, o supersticioso Herodes ordenou que seus soldados a matassem.

Há uma história interessante por trás de por que Wilde escreveu "Salome" em francês, além da razão artística de que os efeitos poderiam ser mais sensualmente sensuais em francês do que em inglês.

Dizia-se que ele havia se inspirado na famosa pintura de Salomé, pintada pelo artista francês Gustave Moreau, com a legenda “L'Apparition”, que mostrava com poder sensual a visão alucinada de Salome sobre a santa decapitada depois que ela recebeu sua terrível recompensa. Outra fonte de inspiração de Wilde veio do conto de Gustave Flaubert, "Herodias" (um dos três contos intitulado "Três Contos"), que se apegou à narrativa original que fez de Salome uma ferramenta inocente de sua mãe Herodias, e que forneceu detalhes de Salomé. dança como Flaubert recordou uma dança árabe que ele assistira durante uma visita ao Egito. Wilde alterou artisticamente o ponto focal de Herodias para Salomé e colocou Salomé em primeiro plano. Ele também a fez ser a amante sádica de João Batista, captando a pitada de sadismo e perversidade da interpretação do romancista francês Joris-Karl Huysmans da pintura de Moreau em seu romance “A Rebours” (“Against Nature” ou “Against o grão").

Assim, influenciado por esses importantes criadores de arte franceses, era natural que Wilde quisesse recriar “Salome” na língua francesa, de modo a prestar homenagem a eles, se nada mais.

Então Richard Strauss, o magistral compositor alemão, apareceu e transformou a peça francesa de Wilde em uma peça eletrizante em alemão, escrevendo o próprio libreto. Estreando em 1905, a produção de Strauss recebeu elogios entusiásticos e alguns de seus colegas descreveram a ópera como "estupenda" e "um vulcão vivo, um incêndio subterrâneo".

Depois de ler a peça de Wilde (uma tradução para o inglês), estou familiarizada com os detalhes da história. Não pretendo saber nada sobre música clássica, mas quando assisti a um vídeo da ópera Strauss (conduzida por Bohm) no Youtube e ouvi a música, isso me deu uma estranha sensação pulsante e eruptiva. A história do desejo sexual assassino é expressa em uma orquestração perfeita de instrumentos musicais e soprano, para agitar os mais profundos recessos do coração humano. Teresa Stratas, uma artista grega de Ontário, Canadá, que desempenhou o papel principal de Salomé, realmente me impressionou profundamente com sua performance assustadora.

Felizmente, não é necessário falar alemão para apreciar a música de Strauss. De fato, não é preciso ser de nenhuma nacionalidade para apreciar uma boa música de músicos de qualquer nacionalidade. Como Strauss disse uma vez em uma carta a um amigo judeu e libretista:

“Você acredita que eu sou sempre, em alguma de minhas ações, guiado pelo pensamento de que sou alemão? Você acha que Mozart foi conscientemente ariano quando compôs? Só reconheço dois tipos de pessoas: quem tem talento e quem não tem. ”
Comentário deixado em 05/18/2020
Vergne Ocker

Aprendeu a ler depois de ler The Spy, de Coelho, que é uma recontagem de Mata Hari, que foi explicada com base na peça de Wilde Salome. Então, eu fui em frente, lendo esta peça originalmente escrita em francês e traduzida (e nesta edição também inclui ilustrações LOUCO) sobre uma mulher e seus desejos e vontades. Herodes quer que ela dance e diz que ele lhe dará o que ela quiser, ela deseja a cabeça de Iokanaan e, em seguida, Herodes, por sua vez, tira sua vida.
Comentário deixado em 05/18/2020
Anstus Blenden

Dançando com o destino



Ultimamente, tenho ouvido a ópera de Richard Strauss, "Salome", e senti uma súbita vontade de aprender mais sobre Salome através da peça de Oscar Wilde. Anteriormente, eu gostei muito de "A importância de ser sincero" e de "Um marido ideal". Ambos me fizeram rir e apreciar a brilhante inteligência de Wilde. A peça "Salome" foi uma experiência muito diferente, pois se concentrou em um tipo de evento muito diferente. Apreciei principalmente a linguagem poética e o forte uso de símiles por Wilde. O final dramático (ver spoiler)[Destino final de Salomé (ocultar spoiler)] me pegou de surpresa, mas certamente ressoou em minha mente. Ao ler a peça, fiquei surpreso ao saber que a peça foi proibida durante os ensaios em Londres em 1892 e não foi executada até 1896 em Paris. Eu não tinha ideia de que a lei britânica na época proibia a representação de personagens bíblicos no palco! https://en.wikipedia.org/wiki/Salome#...
Agora só preciso encontrar a música incidental de Granville Bantock para Salome!

Link para a ópera de Richard Strauss: https://www.youtube.com/watch?v=ildwh...
Comentário deixado em 05/18/2020
Sadonia Isby

"Eu beijei sua boca, Jokanaan, eu beijei sua boca."
Então exala Salome na peça famosa e horrível da OW depois que ela recebe a cabeça dele em uma bandeja de prata. Com suas religiões, Jo era um tédio cansativo. Eva, Dalila, esposa de Ló - a Bíblia vê mulheres brutalmente enquanto serve sexo e sadismo envoltos em inspirações. A extravagância da OW é engenhosamente adaptada por Ken Russell como "A Última Dança de Salomé". Eu me envolvi nessa confusão de Salomé depois de ver a calamidade titular de Rita Hayworth, na qual ela dança para salvar a vida de Jo. Hollywood acrescentou outra mudança: Salomé se torna um convertido cristão. No fadeout, ela sai para ouvir o Sermão da Montanha.

O drama do Novo Testamento da OW, que tem um culto acadêmico, intrigou Richard Wagner, Loie Fuller e Nazimova. No YT, você pode encontrar trechos de uma versão em espanhol na qual Jo e Salome estão nus. A sirigaita da Bíblia não tem nome. Ela é simplesmente uma "donzela" que consegue alguns versos. Flaubert a chama de Salomé em um conto e ela foi comemorada pelos simbolistas Gustave Moreau e Huysmans.

Cue Oscar, 1892. Estava convencido pelo movimento Art Nouveau-Simbolista. A história de um rei que desistiria de metade de suas riquezas por uma experiência agradável o atraía. OW combina linguagem bíblica infantil e conversas túrgidas com o idioma simbolista. É tão exagerado que você nunca toca no fundo.



Comentário deixado em 05/18/2020
Grizel Narducci

(Direto para a minha prateleira Favs)
(Aquela pintura de Moreau!)

"Sou amoroso por teu corpo! Teu corpo é branco como os lírios de um campo que o cortador de grama nunca cortou. Teu corpo é branco como as neves que jazem nas montanhas, como as neves que jazem nas montanhas de Judéia, e desce aos vales As rosas no jardim da rainha da Arábia não são tão brancas quanto o teu corpo, nem as rosas no jardim da rainha da Arábia, nem o jardim perfumado de especiarias da rainha da Arábia, nem os pés do amanhecer, quando iluminam as folhas, nem o seio da lua, quando ela se deita no seio do mar ... Não há nada no mundo tão branco como o seu corpo. Deixe-me tocar em seu corpo. "
Comentário deixado em 05/18/2020
Wandy Hendricksen

Eu amo como este livro foi censurado quando foi publicado porque as ações de Salome foram causadas por seus desejos sexuais femininos, o que era difícil de imaginar na época. Wilde estava realmente à frente dos tempos de várias maneiras.

Comentário deixado em 05/18/2020
Maite Kildoo

A tragédia de Herodes
1 de Julho de 2019

Isso certamente é bem diferente, embora a sugestão fosse que Wilde quisesse algo um pouco mais desafiador, e ele certamente fez isso - uma peça em francês. Na verdade, é mais do que apenas uma peça em francês, a saber, porque também é um drama, e foi claramente modelado nas peças dos gregos antigos - ou seja, é basicamente uma peça de um ato e lida com um personagem. uma falha trágica, a saber Herodes, o Tetrach.

A história é provavelmente uma das mais familiares, pelo menos para aqueles que estão familiarizados com o Novo Testamento. É baseado na história de quando João Batista foi decapitado. Ele segue o exemplo de Herodes ter trancado John, porque ele estava basicamente condenando Herodes por se casar com a esposa do irmão de Herodes (enquanto ele ainda estava vivo, acredito). No entanto, Herodes realmente não queria executá-lo porque, bem, com João sendo um profeta e tudo isso, ele realmente não queria ficar do lado errado do povo (não que isso o afetasse tanto assim). )

Então, um dia em uma festa, sem dúvida, depois de beber demais, ele pediu à filha que dançasse para ele e, quando sua enteada, Salome, recusou, ele disse que lhe daria tudo o que ela procurado. Bem, ela disse 'A cabeça de João Batista em uma bandeja de prata'. Esse é o problema dos juramentos, você se abre para estar em uma situação muito embaraçosa.

Como essa é uma peça de um ato, toda a peça acontece nas celas, o que é meio estranho, porque parece que Herodes decidiu descer a festa. Por outro lado, quando você está escrevendo assim, tende a ser bastante restrito, principalmente quando se trata das três unidades - tempo, lugar e ação. Isso está claro o que Wilde estava tentando conseguir aqui, principalmente porque as peças francesas, pelo menos durante a época de Racine e Moliere, mantinham essas unidades muito próximas.

De qualquer forma, a razão pela qual Salomé queria a cabeça de João era porque ela queria que João lhe desse um beijo, e não é de surpreender, sendo um profeta e tudo isso, John recusou. Depois, há a dança, Wilde sugere que é a dança dos sete véus, embora uma parte de mim sinta que pode ser um pouco anacrônico (não que eu realmente saiba o que a Dança dos Sete Véus realmente é, mas eu '' tenho certeza de que posso descobrir com bastante facilidade - acaba sendo algo que o próprio Wilde criou).

Sim, tudo isso se casar com a esposa do irmão - isso é meio que permitido na lei judaica, embora tecnicamente não seja um casamento. A idéia era que, se seu irmão morresse sem deixar um filho, você o substituiria e seria obrigado a fornecer filhos para a esposa de seu irmão, ou seja, para que a linhagem de seu irmão pudesse continuar. Pessoalmente, não creio que tenha sido esse o caso aqui, ou seja, porque, se fosse, John dificilmente estaria dando um fedor e fazendo acusações de incesto.

Sim, e com essa coisa de incesto, Wilde sugere que ele gosta de Salome (embora ela não seja sua filha de sangue, mas ainda assim, isso parece um pouco desonesto). Obviamente, também temos Herodias, que por acaso é a esposa de Herod, e sim, ela está ciente dos truques de Herodes, então ela realmente não está tão impressionada assim. Também noto que ela ficou bastante satisfeita com o pedido de Salomé porque, bem, ela também não estava particularmente feliz com John, com tudo o que a condenava por incesto.

Herodes é o personagem principal, e ele certamente aparece como um desses heróis trágicos gregos. Ele começa um pouco arrogante, e de uma maneira bastante cheia de si. No entanto, está claro que Salomé o manipulou um pouco, principalmente por causa de seu desejo de vê-la dançar, e a tal ponto que ele estava disposto a lhe dar qualquer coisa. No entanto, quando o pedido chegou, era algo que sabíamos que iria acontecer, mas em parte não queria que isso acontecesse. Sua resposta foi digna dos antigos.

Acabou sendo uma peça muito boa, da qual eu nunca tinha ouvido falar, embora é claro que geralmente não ouvimos muito das peças de Wilde além a importância de ser sincero. Certamente nos confronta com o fato de que há momentos em que fazemos juramentos estúpidos simplesmente para conseguir o que queremos, apenas para descobrir que nossos juramentos voltaram para nos assombrar. Acho que é por isso que Cristo nos advertiu contra fazer tais juramentos, porque são coisas perigosas. Então, novamente, eu aprecio bastante o conceito simples de deixar seu sim ser sim e seu não ser não.
Comentário deixado em 05/18/2020
Dael Bynd

Nas mãos de Oscar Wilde, um relato bíblico é transformado em oração em nome da morte, desejo e beleza (prazer). Salomé existe para provar o quão corajoso o dramaturgo foi pegar um texto sagrado e recontá-lo dessa maneira.
Devo dizer que esta foi uma leitura muito estranha, mas valiosa. Especialmente porque parece diferente do estilo Oscar Wilde que eu conheço.
---
Salomé, enteada de Herodes, o tetrarca, um homem de autoridade terrível e filha de Herodias, um epítome de abominações e pecaminosidade, se apaixona por Iokanaan, um homem de poder esotérico sobre todos, que se acredita ser um profeta ou uma reencarnação de Ilias.

Pode-se dizer que esse amor ocorreu à primeira vista. Salomé sai perto dos servos e soldados e ouve a voz de Iokanaan pregando contra ela e sua mãe. A lua olha por cima das cenas, seca por sangue.

"Filha do adultério ... Maldita seja a filha de uma mãe incestuosa, seja
tu amaldiçoaste! "

Para ela, esse homem personifica uma beleza que ela nunca tinha visto antes, incendeia uma luxúria insaciável, e não há nada que Salomé não faria para beijar seus lábios. [E o único homem a rejeitá-la, realmente.]
Ela dança para o tetrarca, com os pés descalços, e começa a colher a alma de seu destruidor de corações.
Por fim, a cabeça de Iokanaan é apresentada a ela em um carregador de prata. Para seu choque, o Tetrarca a amaldiçoa e ordena que seus soldados a matem.

No final, os desejos de Salomé são realizados; ela levanta a cabeça de seu "amante", beija-a e sucumbe à sua morte sangrenta. "Mas o que importa? O que importa? Eu beijei sua boca"

"Bem, eu sabia que a lua estava procurando uma coisa morta."


[Que empreendedora, esse Salomé.]


Cotações:
* "Deus não está oculto em nenhum momento. Ele se mostra em todos os momentos e em todos os lugares. Deus está no que é mau, assim como está no que é bom."

* "No meu país não há deuses. Os romanos
os expulsaram. Há quem diga que eles têm
se esconderam nas montanhas, mas eu não acredito nisso. Três
noites eu estive nas montanhas procurando por todos os lugares. Eu
não os encontrou, e finalmente os chamei pelo nome deles, e
eles não vieram. Eu acho que eles estão mortos. "

* "A CAPPA No entanto, é uma coisa terrível estrangular um rei.
PRIMEIRO SOL Por quê? Os reis têm apenas um pescoço, como outras pessoas ".

* "A lua tem uma aparência estranha esta noite. Ela não tem uma
olhar estranho? Ela é como uma mulher louca, uma mulher louca que é
procurando em todos os lugares para os amantes. Ela também está nua. Ela está bem nua.
As nuvens estão tentando vestir sua nudez, mas ela não deixa
eles. Ela se mostra nua no céu. Ela bobina através do
nuvens como uma mulher bêbada .... Tenho certeza que ela está procurando amantes.
Ela não se sente como uma mulher bêbada? Ela é como uma mulher louca,
ela não está? "..." Não; a lua é como a lua, isso é tudo. "

* "Isso me parece estranho. Eu pensava que era apenas o
Filósofos romanos que se mataram. "..." Eles são os estóicos. o
Os estóicos são pessoas sem cultivo. Eles são pessoas ridículas. Eu
eu mesmo os considero perfeitamente ridículos ".
Comentário deixado em 05/18/2020
Nashom Divoll

Esta revisão e outras podem ser encontradas em Resenhas de livros de BW.

A primeira vez que li isso, dei quatro estrelas. E não sei por que. É realmente uma peça estranha. Muito incoerente e repetitivo, como se ninguém estivesse ouvindo e o destino de tudo. É historicamente muito preciso. A linguagem era adorável, mas não sei como não era Wilde. Eu acho que minha parte favorita foram as contradições ao longo da peça. Salome com John, seu amor e ódio por ele e como eles são fisicamente iguais. Herodes e a morte, como ele teme, ama e odeia.

Ainda assim, uma brincadeira de meh.

---

Um livro tão minúsculo. Bem, audiobook, tecnicamente. Foi uma produção completa desta peça e estou um pouco triste por não ter escutado o último capítulo - que era basicamente os artistas falando sobre a peça - mas ninguém na minha biblioteca aparentemente lê Oscar Wilde , não seria difícil obtê-lo novamente. Basicamente, segue a execução de João Batista. Talvez eu não tenha lido toda a Bíblia, mas conheço a maioria das histórias principais e essa é uma delas. Muito divertido e eu adoraria lê-lo novamente em algum momento, provavelmente com mais análises do que isso fornece, pois o ouvi no trabalho enquanto estava enviando. Muito agradável e incrivelmente complexo para um trabalho tão curto.
Comentário deixado em 05/18/2020
Elvis Lakhan

O conto bíblico clássico foi retratado muitas vezes, de maneiras diferentes. Oscar Wilde é apenas um entre muitos autores que viram o potencial da tragédia e tornaram a história sua, como uma peça de teatro. A história principal sobre a filha do tetrarca Herodes, que recebe a cabeça de João Batista em troca de dança, é a mesma. Mas os detalhes são diferentes. Historicamente, Salomé era um personagem mais passivo, pouco definido, sem muitas linhas. Originalmente, ela nem tinha nome. Ela era apenas um preço para sua mãe pagar por sua própria vontade. Oscar Wilde fez dela um indivíduo, com pensamentos e sentimentos. É claro que ela ainda é vítima do patriarcado, mas também tem poder que sabe usar. Tragicamente, o único poder que as mulheres tinham, na maioria dos casos, era o seu corpo.

Salome, de Oscar Wilde, é um personagem interessante. Ela não está desamparada da mesma maneira que outras versões, mas vítima de sua própria luxúria, da mesma maneira que Herodes é retratado. Ela usa Herodes objetivando-a para objetivar João Batista. Ela faz qualquer coisa para finalmente poder beijá-lo - ou abusar dele. Esta versão é mais sobre a luxúria e a vontade de Salomé do que a luxúria de Herodes e Herodias. Nesta versão, é Salomé que quer a cabeça de João Batista. Desde que ela não pode dominá-lo na vida, tem que estar na morte. Não há bandeja de prata. Como um conquistador brutal, Salomé segura sua cabeça decepada e a beija. Dessa forma, a parte de Salomé não é passiva, mas ativa, complicada, vingativa e implacável. No entanto, no final, pode-se especular sobre quem é o personagem mais poderoso.

A prosa de Oscar Wilde não é tão rica e cheia de humor como costuma ser. Se é uma escolha deliberada ou não, não está claro, mas Salomé não deveria ser sobre a prosa. É um conto simples, com muitos temas complicados e maneiras de interpretar.
Comentário deixado em 05/18/2020
Matthews Jefferies

(Leia como parte do Obras completas de Oscar Wilde.)

Isso foi fofo! Então, o padrasto Herod é um velho sujo, sendo todo lascivo e afim de Salomé e querendo que ela dance para ele. Há um monte de "Não, eu não quero" e muita mãe de Salomé, Herodius, dizendo: "Não, não a faça". Por fim, ela o faz, mas insiste que, quando o faz, quer que a cabeça de Jokanaan (também conhecida como João Batista) seja trazida a ela em uma bandeja sobre a qual Heródio estava falando "Sim, faça".

Quando você é um velho sujo, coisas ruins acontecem.

Esta peça é diferente da maioria das outras de Wilde. Além de ser uma tragédia (e não uma sátira como as outras que li até agora), ocorre em um ato. É rápido, mas não é necessário muito material de preenchimento para esta peça, pois é bem simples.

Eu sempre amei a história de Salomé, e esta é uma boa versão dela. É mais do que apenas a história de um amante desprezado, e enquanto Wilde poderia ter ilustrado isso um pouco mais do que ele, sua versão certamente não é nada para se espirrar.
Comentário deixado em 05/18/2020
Pich Wanberg

Eu sempre pensei que Salomé era estranho. Quando li a decapitação de João Batista na Bíblia, pensei que Herodes ignorava a natureza enganadora de sua esposa. Salomé é a versão cortadora de biscoitos de sua mãe e juntos eles enganam seu pai para matar um homem de Deus. Oscar detalha seu personagem nesta peça e mostra realmente o mal de Herodes e sua família.
Comentário deixado em 05/18/2020
Eckblad Hesketh

... eu não sei o que Wilde tinha em mente antes de escrever este livro ... parece mais uma história recontada e carece completamente de elementos de inteligência e humor sutis, Wilde é conhecido por ...
Comentário deixado em 05/18/2020
Ardehs Valado

3.5 estrelas - gostei, mas achei que foi interrompido, sendo apenas uma peça de um ato. Havia muito mais potencial de desenvolvimento que eu gostaria de ver.
Comentário deixado em 05/18/2020
Narra Corathers

Começa devagar, mas o suga na escuridão enevoada pela luz da lua e permite que você ferva no sentido de sua própria desgraça. Eu argumentaria com base em Salomé que Wilde é uma tragédia ainda melhor que a comédia.

É como ter um sonho - um pesadelo, na verdade - você sente isso inconscientemente. Você sabe que realmente não faz sentido, mas é por isso que tudo parece ainda mais ameaçador - porque é incompreensível e ilógico e, portanto, imprevisível e perigoso.

Deixe um comentário para Salomé