Casa > cristão > Childrens > Ficção > Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos Reveja

Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos

Dangerous Journey: The Story of Pilgrim's Progress
Por Oliver Hunkin John Bunyan, Alan Parry,
Avaliações: 27 | Classificação geral: Boa
Excelente
17
Boa
5
Média
4
Mau
0
Horrível
1
O mundialmente famoso e amado clássico Pilgrims Progress está aqui recontado para crianças. Esta versão resumida usa as palavras originais de John Bunyan, selecionadas por Oliver Hunkin, para apresentar uma narrativa envolvente. Preenchido com ilustrações intricadamente detalhadas, este livro bonito e de grande formato é um presente ideal.

Avaliações

Comentário deixado em 05/18/2020
Litta Caufield

Ok, esse título parece uma resenha de filme de queijo de Rex Reed. Mas este livro realmente me pegou. As ilustrações são de tamanho generoso e muito detalhadas. Não importa quantas vezes você tenha lido o Pilgrim's Progress, você será desafiado a ver as coisas sob uma nova luz. E seus filhos serão atraídos para a história atemporal.

Em um dia em que a cultura ocidental perdeu seus costumes bíblicos e não vê mais a vida como uma peregrinação, um jounrey para o céu, este livro nos atrai. Isso nos afasta da busca pela auto-realização interior e nos direciona para fora para obter na estrada. Essa metáfora para a vida cristã é tão emocionante.
Comentário deixado em 05/18/2020
Skurnik Laporta

Adorei ler este livro com minha filha. Uma bela alegoria da nossa jornada no caminho reto e estreito.
Comentário deixado em 05/18/2020
Pirri Troutner

Uma versão resumida e ilustrada do clássico de John Bunyan de 1678 O progresso do peregrino. Tomado diretamente do texto de Bunyan, a linguagem arcaica pode ser difícil para jovens / novos leitores, mas nossas filhas não têm problemas em acompanhar a história quando a leio em voz alta. Para aqueles que não estão familiarizados com a alegoria de Bunyan, este livro não se esquiva de abordar questões sérias da vida e fé cristãs (provações, tentações, dúvidas, martírio, graça, etc.). Eu acho que em parte porque este não é o seu livro infantil típico revestido de açúcar, Viagem perigosa permanece um eterno favorito entre nossas filhas (faixa etária de 3 a 9 anos). Eu vou avisar que algumas das ilustrações são bastante intensas. A primeira vez que li isso para eles, pensei que as ilustrações fossem um pouco assustadoras, mas minhas filhas pareciam não se incomodar com elas. No geral, um excelente pequeno recurso para discernir pais cristãos.
Comentário deixado em 05/18/2020
Tager Floro

Minha antiga revisão do Pilgrim's Progress é muito longa, mas quero comentar sobre ela sem excluí-la. A Goodreads deve deixar de lado a coisa na contagem de palavras nazista e permitir que longas críticas sejam postadas na goodreads - e depois liberar tais críticas como livros. Ou não. Enfim, eu esqueci totalmente que tinha escrito aquela resenha do Pilgrim's Progress, no meu primeiro ano na faculdade! Isso teria acontecido antes de eu entrar no Trinitarismo social, FV dark e Doug Jones, e quando eu estava na cultura cultural neolvinista e no senhorio!

Não consigo excluir o item acima, mas quero ver se ainda faço objeções tanto quanto antes. Aqui estão alguns pensamentos:
Objetivo 1: Eu acho estúpido criticar por ser episódico; você pode ser episódico e ótimo - veja Don Quixote. Eu ainda acho que os presbiterianos precisam sair mais e ler mais ficção e que a sequência, embora seja melhor que 90% de todas as sequências, ainda é muito mais fraca que a primeira, porque Bunyan não precisa trabalhar duro para inventar coisas. Mesmo assim, a continuação ainda funciona: mesmo as crianças, que não têm personalidades individuais, têm uma personalidade coletiva que parece se encaixar muito bem e pode-se sentir Bunyan se baseando em sua experiência como pastor nos retratos de Mr. Fearing, Feeble-Mind e desânimo. Parece que sua depressão que tanto afligia sua vida pré-conversão foi externalizada na maioria dos paroquianos deprimidos!

Objeto 2: Eu ainda basicamente concordo com tudo isso. De fato, o que mais me impressionou em reler o Progresso de Pilgrim é o período semi-católico de "penitência". Não se engane: é necessária alguma compreensão do pecado e do arrependimento para a salvação, mas acho que codificar esses sentimentos em um processo estágio por estágio não descreve a maioria dos cristãos ou mesmo a maioria dos personagens do Novo Testamento. Como um amigo disse, quando Pedro prega no Pentecostes e corta as pessoas no coração, não há histórias de pessoas lutando contra como Deus poderia perdoá-las. A segurança é um problema natural e a culpa é uma parte natural da vida cristã e das conversões não-cristãs, mas grandes sentimentos disso não são necessários e acho que Bunyan rejeitaria a salvação de muitos sem provas suficientes.

Objeção 3: Acho que ofereceria diferentes críticas aqui, mais estreitas. Certamente, a vida cristã é individual em certos aspectos e Paulo a compara a uma luta e a uma corrida, com a coroa recebida sendo de fato a vida eterna. Suspeito de falar sobre a igreja como salvação; precisaríamos distinguir entre visível e invisível e institucional e assim por diante para esclarecer isso, mas eu ainda diria que a salvação não se trata de ser transportado de helicóptero para o céu e apenas segurar o forte até então, que é a teologia aponta para. Eu diria que, se o Progresso do Peregrino erra em algum lugar, ele se concentra mais em amar a Deus do que em amar ao próximo, e isso é principalmente por causa do veículo que Bunyan escolheu. Embora exista uma comunidade na parte dois, o foco é mais chegar lá e evitar o pecado do que realmente produzir boas obras.

E o gnosticismo? Primeiro, eu diria que "gnosticismo" é um nome impróprio. A teologia gnóstica (ou platônica) tem menos a ver com isso e, de fato, tem mais a ver com as bifurcações católicas entre natureza e graça. Segundo, sou mais solidário aos pensamentos realmente profundos de Bunyan sobre não olhar para as coisas deste mundo e olhar para as do mundo vindouro. Também fiquei muito impressionado com essa leitura de quanto material há no Progresso do Peregrino. De fato, tudo foi transformado de material espiritual para o material e, de fato, acompanha a rejeição de Bunyan, não do material, mas de artefato versus natureza. Vanity Fair é uma obra de arte berrante, contrastada com o Vale da Humilhação, as Montanhas Deletáveis ​​e Beulah. Mesmo assim, ele não romantiza a natureza, dando boas fotos de famílias frugais: a casa do intérprete e o Palace Beautiful, notavelmente notáveis ​​por suas guloseimas e carnes. Portanto, suponho que tenho que retratar todo o discurso gnóstico com uma exceção: ainda acho que suas descrições do céu demoram um pouco demais e não são tão boas quanto Dante ou o livro do Apocalipse.

A leitura no meio de um projeto de tradução de Richard Hooker é especialmente esclarecedora e o sectarismo estreito de Bunyan é divulgado, mas Lewis estava certo: a seriedade da situação mortal é o que tornou Bunyan tão grande. E comparado a Grace Abounding, esse material é manso.
De fato, Bunyan é quase um marxista! Quase todos os mocinhos são do tipo simples, de classe baixa, que batem na Bíblia, e todos os bandidos, como Worldly Wiseman, By-Ends, Formalist e Hypocrisy, etc. são todos conformes ricos e externos. Isso torna a crítica de Doug Jones tão irônica e, de fato, a maior crítica que eu faria ao livro é o conceito de "mundo" de Bunyan. Penso que os pais da igreja primitiva, os primeiros reformadores e os evangélicos do século 20 estão todos sob perseguição e isso prejudicou nossa teologia. A antítese ameaça significar que a cultura mainstream sempre se opõe à fé (ou pelo menos os fiéis distintamente fora dessa mainstream) e que, portanto, quando os dois entram em conflito, podemos saber com bastante antecedência quem está certo simplesmente consultando a tribo. A história não confirma isso: os cristãos estão errados em todos os tipos de questões e todas as tribos e denominações pecaram e ficaram aquém da glória de Deus. O "mundo" significa o mundo da incredulidade e aplicamos a tipologia adequadamente, não quando vemos duas culturas em conflito, mas quando sofremos por causa de Cristo por causa de uma "empresa" que nos lista negra. Essa "empresa" não precisa ser da maioria ou mesmo do elemento dominante na sociedade. Pode ser uma minoria insidiosa tentando provocar problemas. Trazendo isso de volta ao Pilgrim's Progress, acho que Bunyan faz muitos grandes golpes em seus inimigos, muitas vezes atingindo seus padrões de fala e o ponto morto do externalismo hipócrita. Penso que, se procurássemos na igreja anglicana de seu tempo, tiraríamos as mesmas conclusões que ele.

No entanto, digo, seu preconceito contra a Igreja da Inglaterra às vezes parece um mero partidarismo; seus ataques ao externalismo parecem caridosos; seu ódio à berrante e cerimônia soa como as queixas do homem que não vê razões para toda essa pompa e demonstração; e sua insistência em defender a palavra de Deus, apesar de todas as preocupações com a paz pública, é ameaçadora e, às vezes, obstinada.

Mesmo assim, acho que é um ótimo livro e é ótimo porque a literatura para ser excelente não precisa ser precisamente teologicamente precisa. A grande literatura deve capturar a vida com a maior clareza possível. De fato, o partidarismo de Bunyan é um dos seus maiores pontos fortes. Ainda gosto do que escrevi sobre a alegoria não ser primariamente valiosa como didática, exceto talvez nos trechos teológicos (dos quais realmente gosto muito). No entanto, não vou ao edital de Pilgrim para ser edificado, mas encantado e desta vez fiquei impressionado com a inteligência do livro, especialmente na primeira parte.

Se você falava com um judeu ou mesmo com um católico, peregrinação significava ir à cidade de Jerusalém para se sacrificar no templo ou beijar as relíquias dos santos; nada disso agora. Bunyan transformou tudo em uma jornada permanente da qual não haverá retorno. Nós vagamos pelo "deserto deste mundo" e esperamos alcançar a terra prometida. Na primeira parte, a invenção é ininterrupta: Despond, Sinai, arqueiros no Portão, dificuldade nas colinas, leões, Apollyon, Vale da Sombra da Morte, Vanity Fair (quantos livros geram um clássico literário e um O Desespero Gigante e o próprio rio da Morte são reviravoltas ou extrapolações visuais, memoráveis ​​e muitas vezes estranhas de pequenas frases bíblicas. Até a segunda parte, apesar de toda a repetitividade, inventou o muck-raker.
Bunyan também diz na introdução da segunda parte que sua prosa é difícil de imitar e há tantas palavras maravilhosas aqui e até alguns insultos (como eu poderia esquecer que ele chamou Hopeful de cabeça de garra?) Que são tão fiéis a vida. Ok, os personagens são alegóricos, mas costumam falar como se não fossem e sua linguagem é tão caseira que se apaixona com mais carinho pela mente.

Portanto, a alegoria é um tanto enganadora, por trás dos rótulos estão as realidades dos dias atuais de Bunyan. Não se pode entrar no progresso dos peregrinos sem respirar, pelo menos um pouco, o ar do século XVI. Não consigo pensar em nenhuma recomendação melhor para terminar essa pequena reflexão do que pedir que você obtenha uma cópia da Jornada Perigosa ilustrada de Alan Parry e leia em voz alta para seus filhos. Não é apenas uma cópia bonita, mas também dará a seus filhos uma abertura para outro momento que raramente é tão acessível. Lewis disse que Bunyan conseguiu uma educação simplesmente perseguindo a fé cristã; Eu acho que ler Bunyan fará o mesmo.
Comentário deixado em 05/18/2020
Joceline Burham

Leia em voz alta para os meninos. Parece uma ótima introdução ao clássico, que acho que ainda não estamos * prontos * para o momento. As ilustrações são muito bem feitas.

Meus meninos (7.5, 5.5, 2.5) gostaram bastante.
Comentário deixado em 05/18/2020
Eddina Custeau

Leia isso com Tanzen. A linguagem é arcaica, mas acho que vale a pena ler e explicar para as crianças. Vamos ler de novo, tenho certeza.
Comentário deixado em 05/18/2020
Molton Kiszka

Maravilhoso!! Meus filhos me ouviram ler em voz alta em duas sessões! Uma das melhores histórias já escritas, sem dúvida.
Comentário deixado em 05/18/2020
Zoller Janus

Uma velha história renovada; com belas ilustrações gráficas, grande parte da cadência original e o mesmo lembrete poderoso de que a vida de fé é realmente uma jornada perigosa.

Embora o livro tenha um grande potencial de leitura em voz alta, as figuras podem ser perturbadoras para crianças muito pequenas.
Comentário deixado em 05/18/2020
Yemane Salgado

Abrevia o progresso dos peregrinos sem perder seu sabor ou profundidade. Maneira maravilhosa de apresentar às crianças a incrível alegoria de Bunyan - muito melhor do que o longa-metragem CGI lançado recentemente.
Comentário deixado em 05/18/2020
Hollington Shira

eu li / li esse livro para mim por minha mãe quando eu era jovem. não tenho certeza de que idade específica. Recentemente, encomendei minha própria cópia e achei a história aplicável como mais uma verdade universal do que apenas uma que se aplica apenas àquelas da fé cristã. Eu pedi mais pelas ilustrações do que pelos escritos. Estou definitivamente feliz por ter uma cópia, tanto por razões sentimentais quanto pela sabedoria contida nela. a história é simplesmente contada, mas as lutas que o cristão enfrenta podem ser comparadas às de todos os homens ou mulheres que desejam melhorar a si mesmos e a suas vidas, seguindo um código moral mais ético.
Comentário deixado em 05/18/2020
Eph Schoff

Esta não é a versão completa, que eu não li, mas essa versão ainda traz consigo a essência da história (imagino), que é perfeitamente complementada pelas ilustrações. Tão boas são as ilustrações que as usei para um projeto de arte sobre 'Caminhos para a Vida'. O mais surpreendente para este livro para mim, porém, foi que tudo foi inspirado por um sonho que o autor teve. Eu realmente acredito que Deus estava por trás dessa revelação criativa e o livro continuou incentivando os jovens e os idosos através dos tempos a assumirem sua cruz e caminharem na jornada cristã.
Comentário deixado em 05/18/2020
Valerio Gabe

Este foi o primeiro livro em áudio que eu já ouvi e também gostei bastante. Esta versão do Progresso do Peregrino não é tão boa quanto a original (depois de retirar uma palavra do original de Bunyan, você diminuiu o trabalho), mas foi fantástica. Adquira o Progresso do Peregrino e seja espiritualmente encorajado enquanto faz sua própria jornada para a Cidade Celestial.
Comentário deixado em 05/18/2020
Mendelsohn Apfel

Esta é uma bela história do Progresso de Peregrino, que pode ser lida por crianças. As ilustrações são absolutamente incríveis. Se as crianças são pequenas, eu leria com elas, pois as figuras e a história que as acompanha podem assustá-las !! Para todos nós que temos (ou tivemos) meninos que estão procurando livros de aventura ousados, este é um GEM !!
Comentário deixado em 05/18/2020
Cleti Overlee

Leia em maio de 2015, julho de 2016, junho de 2018, dezembro de 2019 e várias vezes antes.

Ilustrações fantásticas que capturam a imaginação jovem, texto muito resumido que permanece fiel ao original e, é claro, uma das melhores histórias já escritas. Eu ainda amo esse volume anos depois.
Comentário deixado em 05/18/2020
Carlita Truslow

Apenas leia isso com meus meninos. Eles adoraram o livro e perguntaram todos os dias se poderíamos ler outro capítulo. As imagens são fantásticas e ajudam a contar a história. Meu filho de 8 anos quer ler a "versão maior". Esta é uma ótima introdução ao Pilgrim's Progress!
Comentário deixado em 05/18/2020
Hock Santamaria

Uma das representações mais acessíveis de Pilgrim's Progress, de John Bunyan, ainda criada. A história é um tesouro, cheio de pepitas de ouro de sabedoria aplicáveis ​​a qualquer pessoa no mundo. As imagens são ótimas e dão vida à história das crianças.

Eu recomendo este livro para todas as idades.
Comentário deixado em 05/18/2020
Lewie Bertonatti

Algumas palavras estão um pouco desatualizadas, mas esse é o único aspecto negativo em que consigo pensar neste livro; a história e as ilustrações são magníficas. Taylor ama este livro. Se você quer uma versão infantil da história do Pilgrim's Progress, esta é excelente.
Comentário deixado em 05/18/2020
Tynan Kasowski

Eu li Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos lentamente durante várias semanas para digerir o que eu estava lendo.

As incríveis ilustrações em Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos são perfeitamente ilustrativos das tentações e pecados que tentam e estragam o mundo de Deus. A história nos diz que todos somos tentados, mas que podemos resistir a essa tentação, que todos cometemos erros e caímos, mas que podemos superar esses erros e esse mal. Alguns dizem que as ilustrações são / podem ser assustadoras, especialmente para crianças, mas não são tão assustadoras quanto o mal que vemos no mundo.

Eu tenho coração que tantas críticas estão brilhando, especialmente depois de compartilhar Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos com seus filhos. Que belo testemunho da atemporalidade de O Peregrino e sua mensagem de fé e perseverança nessa fé.

5 estrelas dadas com alegria
Comentário deixado em 05/18/2020
Nieberg Pigg

Minha mãe leu isso para nós quando éramos jovens. Nos últimos dois dias, lemos da página 42 até o fim (principalmente hoje e principalmente em uma sessão). Isso foi motivado pelo meu homenzinho e instigou "Mamãe! Não pare de ler!", "Você não pode parar agora!", "Leia mais, Mamãe!" e outros argumentos. Este é o primeiro livro com o qual ele fez isso e eu adoro (e isso me lembrou os dias em que eu era criança ouvindo minha mãe lendo e não querendo que ela parasse). Este é um dos primeiros livros (mais longos) pelos quais meu garoto ficou quieto e pacientemente sem que tenhamos que fazer uma pausa frequente. Considerarei esse o nosso primeiro livro de capítulos de sucesso!

PS Agora posso simpatizar com a voz cansada de minha mãe depois que a convencemos a ler por horas ... :)
Comentário deixado em 05/18/2020
Blaine Piyari

3 1/2 estrelas

Esta é uma versão resumida e ilustrada do Pilgrim's Progress. Compreendo que o autor use partes significativas do texto original em sua versão. As ilustrações foram realmente maravilhosas e adicionaram muito à história. Hesito em recomendar isso a "crianças", como os outros parecem. O comprimento, 126 páginas, sugere que este não é o seu livro de figuras comum, e muitas das ilustrações retratam cenas assustadoras. E como a história inclui alguns tópicos muito sérios, como violência, suicídio e martírio, eu me sentiria confortável lendo-a para meus filhos com 8 ou 9 anos de idade, mas não antes.
Comentário deixado em 05/18/2020
Jorey Errington

Lindas pinturas de Alan Parry em todas as páginas, cheias de drama e até humor. O texto de Oliver Hunkin permanece próximo ao original do século XVII, embora abreviado. Infelizmente, isso o torna menos acessível para jovens leitores que adorariam as ilustrações. Também não consigo imaginar o que o designer de livros estava pensando em usar itálico em vez de aspas para indicar o diálogo. Algumas páginas usam parágrafos de bloco sem espaço entre elas, em vez de recuar a primeira linha. Revisão inadequada? Em suma, embora o livro seja bonito, sua leitura é decepcionante.
Comentário deixado em 05/18/2020
Stubstad Haldane

Lemos isso como uma família e foi tão cativante. Todos nós adoramos e esperamos ansiosamente. É uma adaptação infantil do Pilgrims Progress de John Bunyan, facilitada de ler e encurtada para as crianças. É um livro de figuras com 8 capítulos, portanto é mais longo que um livro de figuras típico, mas menor que o livro de capítulos médio. As ilustrações são maravilhosas e adoramos ver os detalhes de cada uma. Espero fazer disso uma tradição da Páscoa e lê-la todos os anos durante a Quaresma. Hesitei em comprar este livro porque eram US $ 20, mas é um tesouro que manteremos nos próximos anos.
Comentário deixado em 05/18/2020
Ozan Clemans

Esta é uma versão fantástica do progresso dos Peregrinos que manteve a atenção de todos, do meu menino de 10 anos à minha menina de 15 anos. O livro está bem ilustrado e adorei que ele mantivesse o texto original (muito resumido). É profundo o suficiente para um adulto tirar bastante proveito da alegoria e superficial o suficiente para não passar por cima da cabeça de uma criança mais nova. Tivemos muitas ótimas discussões usando o guia Memoria Press 'junto com ele.
Comentário deixado em 05/18/2020
Gudren Beaumier

Ilustrações de cores coloridas impressionantes trazem à vida este livro de histórias da alegoria de Bunyan. É uma super introdução para quem acha a versão original difícil de entender. A Jornada Perigosa do Peregrino é, na verdade, a jornada de Todo Homem da terra ao céu. A história é apresentada nas palavras originais de Bunyan, que autentica o texto mínimo. No entanto, as horríveis e horrendas criaturas desenhadas por Alan Parry darão aos jovens pesadelos.
Comentário deixado em 05/18/2020
Kaiulani Bloniarz

Meu filho de 4 anos sentou-se comigo e nós dois ficamos encantados com a história e as ilustrações. Foi a primeira vez que li uma versão de “The Pilgrims Progress” e sinto que vou refletir sobre isso nas próximas semanas. Meu filho está pedindo para ver a foto diariamente desde a leitura. Tem sido uma ótima maneira de lembrar meu filho do evangelho também.
Comentário deixado em 05/18/2020
Prager Martirano

Esta é uma versão lindamente ilustrada do Pilgrim's Progress for children. Embora seja simplificado e encurtado, as frases são antiquadas o suficiente para serem interessantes para crianças sem serem confusas. (por exemplo: "Na aldeia vizinha, mora um cavalheiro..." ou "A essa altura, Christian espiou um estilo...") Li isso com meus meninos e todos gostamos.
Comentário deixado em 05/18/2020
Arand Saulsberry

Não tenho muita certeza do que classificar este livro. Eu achei divertido o quanto eles saltaram. Por exemplo, Christian encontraria um personagem com quem, na versão completa, ele teria um capítulo inteiro digno de conversa, mas nessa versão resumida, os dois diriam sobre uma frase antes que o personagem conhecesse seu destino.
No entanto, meus filhos adoraram. Eles são apenas 3 e 5, mas foram totalmente sugados e ficaram animados em ler algumas novas páginas todos os dias.
Além disso, não sei se os hormônios da minha mãe estavam em fúria ou se Bunyan é tão bom, mas me vi segurando as lágrimas, especialmente quando Christian e Christiana atravessam a morte do rio e entram na Cidade Celestial.

Deixe um comentário para Viagem perigosa: a história do progresso dos peregrinos