Casa > Ficção > Índia > Contemporâneo > Q & A Reveja

Q & A

Por Vikas Swarup
Avaliações: 19 | Classificação geral: média
Excelente
7
Boa
7
Média
0
Mau
2
Horrível
3
O espetacular romance de estreia de Vikas Swarup abre em uma cela em Mumbai, na Índia, onde Ram Mohammad Thomas está preso depois de responder corretamente a todas as doze perguntas do maior programa de perguntas e respostas da Índia, Who Will Win a Billion? É difícil acreditar que um órfão pobre que nunca tenha lido um jornal ou frequentado a escola possa ganhar esse concurso. Mas através de uma série de emocionantes

Avaliações

Comentário deixado em 05/18/2020
Wrennie Meager

Perguntas e Respostas = Milionário Slumdog, Vikas Swarup

Q & A é um romance de Vikas Swarup, um diplomata indiano. Publicado em 2005, foi o primeiro romance do autor. Situado na Índia, ele conta a história de Ram Mohammad Thomas, um jovem garçom que se torna o maior vencedor de quiz da história, apenas para ser preso por acusações de que ele trapaceou. Ao longo do romance, Ram Mohammed Thomas dá flashbacks de sua vida para explicar à polícia como ele sabia as respostas para as perguntas do programa - incluindo a corrupção que ele enfrentou e teve que superar.

O livro é sobre destino versus sorte e dedicação pessoal. Em 2008, o livro foi vagamente adaptado ao filme Slumdog Millionaire, vencedor de vários Oscar, que apresenta um novo personagem principal chamado Jamal e seu irmão Salim. O filme é um comentário sobre como a pobreza e a corrupção envenenam o espírito humano e como manter o verdadeiro eu diante das adversidades.

تاریخ نخستین خوانش: روز بیست e ششم ماه نوامبر سال 2010 میلادی

عنوان: میلیونر زاغه نشین; نویسنده: ویکاس سواروپ; مترجم: مهدی غبرایی; مصطفی اسلامیه; تهران, کتابسرای نیک; 1388; 352 در ص; شابک 9789642953325; موضوع: داستانهای نویسندگان هندی به زبان انگلیسی - سده 21 م

شرح ماجراهای «رام محمد توماس» ، پسر بچه‌ ای كه برای زندگی و زنده ماندن تلاش می‌كند. داستان درباره ی پسر هجده ساله ی یتیم فقیری ساکن «بمبئی», به نام: «جمال ملک» است, که در مسابقه ی: «? چه کسی میخواهد میلیونر شود»; شرکت کرده, و موفق شده تا مرحله ی پایانی, پیش برود ؛ همین باعث مظنون‌ شدن پلیس ، به تقلب در مسابقه و دستگیریش می‌شود. بازرس پلیس به او می‌گوید: به‌ شرطی آزادش می‌کند ،ه بگوید چگونه به پاسخ پرسشهادست دداکو ما ما ما ما با ما ما ما ما ما با‌ «« «ت «« «تت« و ... ؛ ا. شربیانی
Comentário deixado em 05/18/2020
Carolynne Cerrone


Devo mencionar que esta crítica de 1 estrela não está relacionada à minha opinião sobre o filme "Milionário Slumdog" que gostei muito melhor do que o livro. Fico feliz que os cineastas retiveram de maneira inteligente a única coisa decente sobre esse romance que é o dispositivo de enredo de game show e jogou quase todo o resto no lixo, porque é onde esse romance realmente pertence. Este livro precisa muito de edição ou, melhor ainda, de um autor diferente. Eu li em algum comentário que "Milionário Slumdog" parece a tentativa de um jovem de escrever e eu tenho que concordar. Não é nem L de literatura. Não demora muito para se cansar da narração plana.

De qualquer forma, o estilo de escrever talvez não seja o maior problema deste romance. A história é tão cheia de clichês. Todo episódio na vida do protagonista parece ter sido retirado de algum filme barato de bollywood masala (os episódios do filme Slumdog são muito melhores). Swarup pegou todos os vícios e questões sociais que ele conseguia pensar e juntou tudo em uma história. Abuso infantil, assassinato, suicídio, incesto, prostituição, roubo, roubo, corrupção, provocações, pobreza, tumultos, disputas religiosas, submundo, guerra Índia-Pak está tudo lá. Homofobia e pedofilia são exageradas. Esse é o absurdo barato que a Swarup está vendendo em nome do realismo. Ele também jogou a carta religiosa e nomeou o herói 'Ram Mohammed Thomas'. Com essa receita de vendas, Mr.Swarup talvez não achasse que havia necessidade de se esforçar mais na redação.

Estes são alguns trechos da resenha deste livro da Amazon por pessoas de fora da Índia:


"Apesar das descrições emocionantes de abuso sexual, racismo, pobreza, sem-teto e muito, muito mais na Índia moderna, esta é uma aventura picaresca absolutamente agradável que é uma das melhores leituras do ano".

"..é uma história fácil e divertida que capta grande parte da essência deste país fascinante."

"Ele oferece uma visão muito boa de várias sociedades e estilos de vida diferentes na Índia".

"... um vislumbre emocionante e fascinante da vida na Índia moderna. Bem escrito e cheio de fatos cotidianos comuns e históricos sobre a península densamente povoada, ..."

"Dá uma visão geral da realidade na Índia."

"... isso lhe dá o suficiente da miséria que existe na Índia .."

"Está bem escrito e descreve a Índia, como é hoje".


Oh, Puhleeze! Esta não é a Índia moderna (ou mesmo a Índia nos tempos antigos). Nenhum dos episódios do livro tem uma leve semelhança com a vida de um homem comum na Índia. Um homem comum não passa a vida inteira em meio a todos os crimes e misérias imagináveis. Swarup está cativando o público ocidental, dando a impressão de que abuso, pobreza, miséria e o que não é tudo o que existe no modo de vida indiano. E isso também de uma pessoa como Vikas Swarup, diplomata da Índia e que deve representar a Índia no mundo exterior. Pelo menos eu acho que ficou bem claro no filme que era apenas a história de um garoto órfão de favela. A representação da vida de uma favela de Bombaim como pano de fundo estava talvez muito mais próxima da realidade do filme do que o romance de Swarup. O filme nunca pareceu afirmar que essa era a essência da vida na Índia. Swarup, por outro lado, desenha seus personagens de diferentes classes econômicas, religiões diferentes, pessoas que vão de astros de cinema a diplomatas, padres, empresários, classe média, moradores de favelas e tudo. E ele apresenta todos os modos de vida possíveis na Índia com apenas um lado sombrio.

O próprio Swarup nem vive na Índia. E mesmo durante suas visitas à Índia, tenho certeza de que ele apenas experimentou a vida da rica classe alta, que forma apenas uma pequena fração da nossa população. Não é surpresa que ele esteja completamente fora do toque da realidade da vida comum na Índia. Alguém, por favor, diga a ele que assistir a um monte de filmes de bollywood não é como você obtém uma experiência da vida indiana.
Comentário deixado em 05/18/2020
Elysee Gorelli

LEITURA OBRIGATÓRIA! LEITURA OBRIGATÓRIA! Um dos livros que descobri para a Sérvia e tenho muito orgulho de fazer isso muito antes de o filme ser feito ou ganhar o Oscar ... Este livro tem aquele "algo" que faz você se apaixonar instantaneamente por ele. primeira frase ... E você não esquece que envelhece mais tarde ... Demorou bastante tempo para chamar a atenção dos leitores na Sérvia ... Embora este livro tivesse muitas edições na Sérvia, seu editor ignorou completamente seu segundo romance, pena ... :(
Comentário deixado em 05/18/2020
Gentes Ruppenthal

Fiquei completamente encantado com o filme Slumdog Millionaire; eu achava que a história era previsível com personagens totalmente desinteressantes ou completamente desagradáveis. No entanto, por mais que eu não tenha ficado impressionado com o filme, não pude deixar de sentir que havia um núcleo de uma história muito interessante lá e que talvez, apenas talvez, eu pudesse ter uma boa experiência com o livro.

Tenho o prazer de informar que estava correto - o livro [u:] Q&A [/ u:] é muito superior ao filme. Algumas coisas que eu preferia no romance:

1. Não é um prazo linear; no filme, a progressão das perguntas em Millionaire acompanhou o progresso da vida do garoto. No livro, esse não é o caso - a linha do tempo desliza um pouco e as respostas a certas perguntas dão dicas de coisas ainda não reveladas que ocorreram no passado. É muito mais intrigante, pensei, do que uma simples recitação de "então isso aconteceu; depois isso; e depois isso".

2. Sunil não é um assassino sem coração. Um dos principais problemas que tive com o filme foi que Sunil era detestável desde o início, trancando seu irmão no banheiro e vendendo seu autógrafo conquistado com muito esforço. Por outro lado, o personagem de Sunil no romance é um garoto gentil, sem relação com o narrador, que adora filmes, que não mata ninguém e que não fica endurecido pela vida ao seu redor. Sunil do livro é muito o que eu imagino o que eles queriam que Jamal fosse no filme, exceto que, de alguma forma, no filme, Jamal estava completamente carente de carisma e era meio assustador.

3. História de amor mínima. Eu não sou uma pessoa que se opõe a uma história de amor, certamente; no entanto, assim que Latika foi introduzida no filme, eu gemi interiormente, que uma premissa tão interessante estava sendo desperdiçada em mais um par de amantes estrelados. O livro, embora haja certamente um romance, não abrange o livro inteiro. O que permite que Ram Mohammad Thomas (que é o personagem do nome de Jamal no livro) se desenvolva como um personagem além do obsessivo doente de amor. Também permite que a história se desenvolva de maneiras interessantes, pois nem tudo é visto através das lentes de um amante abandonado. Há muito mais personagens no livro que têm suas próprias histórias, com mais cenários e mais coisas acontecendo. O livro cria uma história crível de como as experiências de vida podem preparar um homem para ganhar um bilhão de rupias em um programa de perguntas divertidas, engraçadas, trágicas e horríveis, que merece, em vez de ser menosprezado, seu final feliz. O filme simplesmente não pode ser comparado.
Comentário deixado em 05/18/2020
Florance Sakon

Qual é o ditado? "Você é a soma total das experiências da sua vida"? Este é o livro que apresenta um homem muito jovem que já acumulou bastante a coleção de experiências de vida, apenas experimentando cada dia de sua existência. Felizmente, ele pode usar esta existência extraordinária e ganhar muito dinheiro!

Mas espere! Aí vem mais um evento desagradável: ele é preso. Por trapaça. Ninguém pode acreditar que "alguém como ele" poderia ter conhecido todas essas respostas.

Eles não conhecem esse jovem e como tem sido seu tempo neste mundo. Eles veem um camponês de pele escura e humilde. Eles não percebem que estão olhando para alguém que poderia sobreviver a "Survivor". Alguém que agora é desafiado a conseguir que alguém se sente com ele, ouça, ACREDITE que ele está dizendo a verdade.

Aproveite a chance de sentar com ele e ir atrás das respostas.

Adorei os nomes dos capítulos, como os capítulos fluíam e conhecendo Ram Mohammad Thomas. Ele suportou tanta sujeira que merecia ter tempo para brilhar!

Seja qual for a sua opinião sobre o filme SLUMDOG MILIONAIRE, sugiro humildemente que sua experiência não esteja completa sem as perguntas e respostas.

Obrigado pela leitura.

Comentário deixado em 05/18/2020
Violeta Ferebee

O livro de Vikas Swarup não é o filme de Danny Boyle. Eu aprendi pela primeira vez Q & A de uma entrevista com Swarup, na qual ele criticou o filme que transformara seus personagens em nomes internacionais. Eu posso ver o porquê.

Q & A é uma narrativa intensamente em primeira pessoa, com os detalhes no papel raramente alinhados com os que atingem a celulóide. Swarup nos leva à história através de uma cena diferente, joga o jogo com perguntas diferentes e leva os leitores a um clímax e desfecho surpreendentemente diferentes.

A ironia é que a versão de Swarup, o original, é quase irremediavelmente consignada para ser o objeto comparado, já que relativamente poucos encontrarão este livro antes de assistirem ao filme.

Swarup aborda diferentes problemas, incluindo violência e prostituição com base em gênero, que podem ter aumentado a classificação do filme, mas são destacados de maneira brilhante por nosso protagonista, Ram Mohammad Thomas. É isso mesmo, nem mesmo os nomes são os mesmos.

Apesar de todas as diferenças, livro e filme são, em última análise, fortes modelos para o seu formato. Ouvimos um monólogo interno indiano muito mais no livro de Swarup do que na narração ocidental de Boyle. A linguagem e a evolução de Thomas são muito menos estereotipadas do que Jamal Malik, o garoto da favela que Boyle retratou.

Encontrar essas diferenças e se deliciar com cada nova descoberta, no que poderia ter sido um mimeógrafo, é muito do prazer de alguém apresentado ao romance de Swarup através do cinema. É um prazer que vale a pena provar.
Comentário deixado em 05/18/2020
Jermayne Kurisu

Fiquei impressionado com a classificação deste livro. Por um lado, eu simplesmente amei o enredo incomum e poderia facilmente ter dado 5 estrelas. Por outro lado, uau, não me lembro da última vez que li algo tão flagrantemente homofóbico. Três personagens masculinos diferentes, dois dos quais são claramente identificados como "gays", eram pedófilos predadores que abusavam de meninos. Um terceiro homem também era um pedófilo que abusava de meninos, mas pelo menos o autor nunca afirmou que ele era gay. Também não achei que nenhuma dessas caracterizações fosse um elemento necessário da trama, então elas pareciam gratuitas. É muito ruim, porque este livro poderia facilmente fazer minha lista dos meus romances favoritos de todos os tempos, mas as conotações homofóbicas meio que a arruinaram para mim.
Comentário deixado em 05/18/2020
Etrem Arcaro

Minha resenha é baseada no audiolivro lido por Christopher Simpson, que é absolutamente notável, devido à sua vasta gama de sotaques e ginástica vocal. Suas leituras adicionam um ingrediente que seria muito sentido sem ele. Tendo acabado de visitar a Índia, descobri que fui atraído diretamente para a história vívida.

Adorei o filme, mas achei as histórias do livro muito mais atraentes. É originalmente intitulado "Q&A", que é realmente o formato da história. Não tenho ficado com lágrimas nos olhos por muitas histórias, mas essa realmente tocou meu coração. A narrativa salta um pouco, mas tudo ainda se desenrola bastante poderosamente. O filme é baseado na dinâmica deste livro, mas eu gostaria que ele usasse mais algumas dessas histórias (embora politicamente eu possa entender por que elas não o fizeram). Ram Mohammad Thomas (Jamal no filme), ainda é bastante inesquecível. Salim e o anfitrião de outros caras bons e maus e todas as suas histórias ficarão comigo por um longo tempo. Até o carismático programa de TV emcee tem uma história importante… eu adorei. Às vezes, é pesado, mas uma leitura poderosa.
Comentário deixado em 05/18/2020
Ginnie Granada

Raramente tenho sido tão ambivalente em relação a um livro quanto em perguntas e respostas. Percebi na metade do caminho que eu poderia colocá-lo no chão, nunca buscá-lo novamente e não sentir nenhum remorso. No entanto, foi apenas envolvente o suficiente para continuar lendo, e eu terminei. Fiquei moderadamente intrigado o tempo todo, mas nada nele acendeu uma paixão em mim.

Basicamente, fico feliz por ter saído da biblioteca.
Comentário deixado em 05/18/2020
Colvert Silberhorn

Uau. Simon Beaufoy realmente mereceu o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado. Eu não achei isso Slumdog Millionaire foi o melhor filme EVAR! como algumas pessoas parecem, mas o livro é simplesmente horrível. Dispersa e mal escrita, com uma narrativa que se baseia em mais coincidências forçadas do que uma Diabo romance, Q & A também consegue tornar seu protagonista completamente antipático e seu romance totalmente irromântico. Ah, e a coisa toda - especialmente os primeiros capítulos - é assustadoramente homofóbica. Se você amou favelado, isso apenas manchará sua apreciação. Embora eu ache interessante ver como o mesmo conceito pode ser tomado em duas direções totalmente diferentes - uma que fará as pessoas distribuírem o Oscar e outra que fará com que elas imitem o Oscar Grouch.
Comentário deixado em 05/18/2020
Ferriter Pascher

História de um garoto tiffin que joga e ganha o maior game show do planeta e se torna um milionário. Cada capítulo foi criado lindamente.

Recomendado.
Comentário deixado em 05/18/2020
Ledeen Mcelmeel

Vi o filme feito disso quando estava no cinema - Slumdog Millionaire - e achei que era uma premissa inteligente, embora excessivamente gráfica em alguns aspectos. O livro é igualmente inteligente, embora diferente do filme, porque é claro que os filmes sempre mudam as coisas. O livro é menos descritivo de cenas perturbadoras do que o filme era gráfico.

Foi uma leitura muito interessante - eu gostei de ler sobre os diferentes lugares em que Ram Mohammad Thomas viveu e trabalhou e ver como os encontros casuais lhe deram o conhecimento para poder responder a 12 perguntas aleatórias em um programa de perguntas - altamente improvável, mas ainda divertido ler!
Comentário deixado em 05/18/2020
Olivia Geis

Essa é uma daquelas raras ocasiões em que vou ter que dizer que gosto muito mais do filme que do livro. Por um lado, o filme tem o absolutamente adorável Dev Patel. Para dois, acho que foi uma decisão fantástica por parte de Danny Boyle et. al. editar o estereótipo homofóbico que permeia o início deste livro.

Eu li apenas setenta e cinco páginas, então talvez melhore. Eu não sei. Esse tipo de coisa tende a me incomodar bastante e eu simplesmente não consigo superar isso.

Vamos revisar especificamente o que me impediu de terminar este livro:

1) Na vinheta da pergunta inicial, o melhor amigo de infância do herói é obcecado pela estrela de cinema Armaan Ali, que recentemente apareceu nos panos de fofocas por um rompimento muito público com sua co-estrela. O pior é que esses escritores caluniadores o acusaram de tendências homossexuais, o que leva o melhor amigo a comprar todas as cópias da revista que ele pode pagar e queimá-las. O herói nos diz que seu amigo "odeia homossexuais" e depois diz:

Eu também conheço pervertidos e o que eles fazem com garotos inocentes. Em corredores escuros. Em banheiros públicos. Nos jardins municipais. Em lares juvenis. "

2) Enquanto o herói e sua melhor amiga estão assistindo as últimas notícias de Armaan, um velho assustador se senta ao lado deles e passa a se acariciar e molestar o melhor amigo, levando o amigo a pular e ameaçar assassinato. Em um breve momento de clareza, eles percebem que o atacante não é outro senão o próprio Armaan, usando uma barba falsa.

3) Na vinheta seguinte, a criança heroína está vivendo em uma igreja, como a ala de um padre. Quando um jovem padre chega, o herói o espia e observa a pornografia homossexual enfiada no colchão, homens vestidos em couro e correntes (e andando de moto!) Aparecendo a todas as horas da noite e usando cocaína. O jovem padre ostenta descaradamente seu comportamento e provoca o jovem herói.

4) Cerca de 24 horas depois que um visitante de 15 anos chega à igreja, o herói entra no jovem padre que o estupra.

Agora, se você pode ler tudo isso e isso não o incomoda, sugiro que você compre este livro. Talvez eu esteja exagerando, mas isso parece muito com estereótipos flagrantes de homossexuais como pedófilos pervertidos. É a transmissão da crença homofóbica de que homens homossexuais “perseguem” meninos em qualquer oportunidade. Uma crença de que, em 1970, 70% dos americanos concordaram. (1) Em uma pesquisa de 2005, apenas 54% dos americanos disseram que "permitiriam que os gays fossem professores do ensino fundamental". (1)

Então, acho que essa crença errônea ainda existe, e não pretendo apoiar nada que a mantenha viva. Agora, com justiça, Vikas Swarup afirmou que não pretendia que isso fosse homofóbico, mas destacou a “exploração dos fracos pelos fortes”. (2) Honestamente, eu não acredito nisso. Espero que esta revisão possa informar aqueles que, como eu, têm uma tolerância muito baixa para esse tipo de coisa.

Emparelhamento Musical Perfeito

Clube social da vassoura de rua - Paper Planes

Claro, Tom Morello é um deus do violão, mas essa segunda capa não faz você querer ouvir a versão MIA? Da mesma forma, este livro me deixa ansioso pelo filme muito mais inteligente.


1. http://psychology.ucdavis.edu/rainbow...
2. http://www.thefullwiki.org/Q_%26_A_(n...
Comentário deixado em 05/18/2020
Hedva Dalen

Uau. Devo começar dizendo que me surpreendi lendo as últimas 170 páginas ímpares em pouco mais de duas horas.

Suponho que a premissa de 'Q&A' ​​seja conhecida por todos que não vivem sob uma rocha, tendo sido adaptada ao filme vencedor do Oscar 'Slumdog Millionaire' em 2008. Mas é aí que a semelhança termina, porque a o filme tira muito pouca inspiração dos eventos que ocorrem no livro, o que não é necessariamente uma coisa ruim.

Digo isso porque não tenho dúvidas de que o filme de Danny Boyle é muito mais realista e convincente. O romance de Swarup é obviamente falho e tem suas deficiências, mas isso não deve tirar nada do esforço credível que ele colocou em seu primeiro romance. Ele recontou o antigo conto do triunfo do perdedor perene no cenário moderno de um show de perguntas populares.

Gostei particularmente do estilo de narração - como ele alterna efetivamente entre narração não linear no modo flashback no início de cada capítulo e reverte para o tempo presente no final como o protagonista Ram Mohammad Thomas (sombras de 'Life of Pi' em seu nome) continua explicando como ele sabe a resposta para todas as perguntas feitas no game show.

A caracterização não é o ponto mais forte deste romance, já que se pode perder a conta dos diferentes personagens introduzidos ao longo por conta das inúmeras experiências de Ram. Também não é tão ruim, mas nenhum dos personagens, exceto o protagonista, deixa muita impressão na mente do leitor. Mas então, pode-se acabar ignorando isso, porque há muita coisa acontecendo na vida de Ram nesse meio tempo.

Eu pensei que o final era muito 'filmi' (termo de Bollywood para 'clichê') para o meu gosto com a coisa da reunião e um pouquinho da moeda da sorte de Ram (obviamente inspirada em 'Sholay'), mas consegui digerir um pouco. Acho que alguns de nós, índios, já estamos acostumados.

Engrossing, emocionante e com o coração no lugar certo, classifico o romance de estreia de Vikas Swarup 'Q&A' ​​4 de 5 estrelas simplesmente por seu imenso valor de entretenimento. Definitivamente, é uma leitura agradável, além de nos dar uma versão bastante vívida e colorida da Índia moderna. Altamente recomendado para os fãs de ficção popular indiana.
Comentário deixado em 05/18/2020
Philo Varriale

Cheguei tarde na festa - muito tarde. Felizmente, eu também não tinha visto o filme (ainda não o vi, mas agora espero), então minhas impressões sobre o livro são imaculadas e sem preconceitos derivados de filmes.

O livro é inteligentemente construído e oferece um caleidoscópio giratório da Índia que um turista nunca vê, exceto o Taj Mahal - e então você obtém a perspectiva de um guia não registrado. Desde a tragédia e o desespero das favelas em expansão, até a bochecha de uma mandíbula vivendo em um chawl, aos toques ousados ​​da Índia sempre otimista e aspiracional, Vikas Swarup compartilha sua Índia com o mundo. Por isso, é uma leitura incrível.

Eu achei um ou dois aspectos do enredo um pouco artificial - mas então, estamos falando de um enredo em que o herói improvável ganha um bilhão de rúpias em um game show! Na maior parte do livro, no entanto, a história fluiu muito naturalmente. O ritmo é bastante rápido para um livro tão substancial, mas a estrutura era, pensei, apenas um pouco repetitiva. Só um pouco. Existem algumas grandes reviravoltas.

Há momentos de hilaridade, volumes de excelente observação social, um humor calmo e trocadilhos pesados. No final, senti que havia gostado de um banquete literário.
Esteja avisado, há algumas passagens e páginas desagradáveis ​​e reais. Dar uma lista de precauções específicas estragaria o livro, então direi apenas que essas partes não são recomendadas para leitores sensíveis. No entanto, não há cenas de sexo detalhadas (não é a mesma coisa que * não * cenas de sexo) e uso mínimo de linguagem obscena.
No final, chamo isso de uma leitura maravilhosa, que não pude deixar de ler até terminar.
Comentário deixado em 05/18/2020
Deming Naill

Eu vi o filme há alguns anos, junto com minha mãe, e fiquei impressionado com a história - quase tanto quanto Dev Patel e como ele é maravilhoso. Então, quando eu aprendi, era baseado em um livro; não demorei muito para ir à biblioteca na tentativa de encontrá-la. No entanto, mesmo que a biblioteca alegasse tê-lo, ele não estava em lugar nenhum. Até o outro dia, quando eu o encontrei em uma prateleira bem longe de onde deveria estar. Fale sobre fé.

Ram Mohammad Thomas acaba de ser preso. Por quê? Por ganhar o prêmio máximo no programa de perguntas mais popular da Índia. Quando menino, vivendo nas favelas de Mumbai, os produtores do programa estão convencidos de que ele trapaceou para ganhar o bilhão de rúpias. Porque de que outra forma um cão de rua seria capaz de responder corretamente a todas as doze perguntas? Ele até disse que nunca havia estudado ou lido um jornal.

Mas quando seu advogado pede que ele explique como ele sabe as respostas para essas doze perguntas, ele a leva a um passeio selvagem, que consiste em histórias de diferentes períodos de sua vida, desde o dia em que foi encontrado abandonado em uma igreja até os dias de hoje. guia turístico no Taj Mahal a apenas alguns dias antes do show de perguntas. Cada história contém uma explicação de como ele poderia saber a resposta para cada pergunta.

Oh Deus. Este é possivelmente um dos melhores livros que já li. É comovente, às vezes hilário, mas também comovente e trágico. É uma história absurda, mas ainda realista, sobre a vida de um jovem órfão e suas experiências e relacionamento, enquanto ele tenta sobreviver em um mundo que não se importava menos com ele.

Não queria largar o livro e senti uma pontada de tristeza quando li a última página. Eu não queria que terminasse, mas, ao mesmo tempo, também não queria que continuasse. É brilhante do jeito que é; um turbilhão de gêneros diferentes - tudo, desde a comédia ao drama, como a própria vida. É cru e poderoso e simplesmente incrível.
Comentário deixado em 05/18/2020
Penny Macius

Boa ideia para uma história. Um garoto órfão pobre e sem instrução ganha um bilhão de rúpias (cerca de US $ 20 milhões) em um game show.

Fora isso, foi um pouco difícil passar por este livro. Eu acho que eram todos os nomes indianos. Sei que este livro foi escrito por um índio e foi traduzido para o inglês, mas tive dificuldade em conhecê-lo quando cada frase tinha alguma palavra indiana, não sabia o que significava e não havia outra explicação para ajudar a descobrir. Talvez se eu falasse esse idioma, não teria sido uma distração tão grande.

Coisas que eu gostei:
- A base da história
- Como a história foi contada, um evento da vida ajudou a responder a todas as perguntas do game show

Coisas que eu não gostei:

-Muitos caracteres, com nomes como; Rani Sahiba, Shakil, Shankar, Salim, Swapna Devi, Mahendra Singh, Shan Jahan, etc, etc. Eu não conseguia acompanhar realmente nenhum deles.
- A menção constante da senhora com o sari branco (a mãe dele?), Não faz sentido.
- Previsível demais, você sabia que ele ganha o bilhão de rúpias desde o início. Na metade do livro, eu fiquei tipo "aposto que a rúpia" sortuda "dele tem" cabeças "nos dois lados, etc.)
- Esse garoto adolescente, mata pessoas à vontade, rouba pessoas à vontade, faz sexo com prostitutas menores de idade, é um fraudador e mentiroso, não teve nenhum problema em encontrar trabalho ou dinheiro e adivinhe o que ele ganha um bilhão de rúpias! Hooray !!
Comentário deixado em 05/18/2020
Federico Patek

Q & A é o livro que inspirou o filme Slumdog Millionaire. No entanto, os dois têm pouca ou nenhuma semelhança um com o outro, exceto pela premissa básica: um órfão das favelas da Índia vai a um game show e ganha o prêmio máximo, mas os produtores do programa acham que ele deve ter trapaceado, então o garoto conta histórias de sua vida que mostram como ele sabia as respostas para as perguntas. Além deste esboço básico, o livro e o filme são realmente dois inteiramente histórias diferentes compostas de quase inteiramente detalhes diferentes.

Q & A definitivamente não é para os de pele fina / estomizados. Praticamente todo e qualquer sofrimento humano imaginável é encontrado em suas páginas: assassinato, estupro, molestação, pedofilia, abuso, trabalho infantil, prostituição, suicídio, roubo, corrupção, pobreza ... a lista continua. Eu estava folheando as páginas me perguntando se as atrocidades poderiam realmente piorar ... elas o fizeram. Uau! É quase o suficiente para fazer você perder a fé na humanidade.

Talvez eu esteja doente, porque não consegui largar. Fui sugado para a história desde o início e cada 'capítulo' era mais poderoso que o anterior. Colocá-lo de lado realmente não era uma opção até eu terminar a última página. Definitivamente, uma experiência de leitura que não esquecerei tão cedo. Surpreendente!

Deixe um comentário para Q & A